sábado, 9 de dezembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-79: VANDA CATARINA DONADIO II


 
CORAÇÃO VERDE
 
Bem no centro do estado de São Paulo pulsa um coração diferente chamado bairro do Bebedouro, fica bem ali entre Dourado e Brotas, um "tirico" de espingarda como diria o caipira.
Como o próprio nome já denuncia, é um lugar de nascentes cristalinas, intocadas pela ambição destruidora. É um vale encantado  com muitas palmeiras, macaúvas, ipês, riachos cantadores, onde vivem garças, saracuras, periquitos, papagaios, lindos beija-flores dourados (ainda não catalogados), borboletas azuis, tucanos, lobos guarás, tamanduás, bandos de macacos sabidos etc. Alguns poderão até estranhar e fazer a pergunta, mas como? Aqui tão pertinho?! É simples, em primeiro lugar os pioneiros habitantes do lugar, há mais de duzentos anos nunca fizeram muita alarde de sua existência. Povo sefardim, andejo, desconfiado, quieto com a resistência de um camelo, preferiam casar-se entre si mantendo a unidade do local, além é claro dos costumes diferentes da cidade. Por ignorância aqueles que moravam nas cidades e os novos imigrantes europeus chamava-os de "caboclos". Exímios cavaleiros, até as mulheres eram requisitadas para as "domas". Povo amante da liberdade, da terra, dos animais e da natureza, que utilizavam para subsistência, até a época da Segunda Guerra Mundial quando começaram a ocorrer com certa dificuldade os casamentos mistos. Gente perronha, diziam os antigos. Uma segunda causa foi a terra arenosa  com muita água, mas sem os requisitos para a produção do café ou da cana. Produtos que fizeram encher muitas algibeiras paulistas, desde o começo do século. Essa candura da terra deu ao Bebedouro uma ingenuidade sábia de nunca despertar a ambição de nenhum forasteiro e que mantém até hoje bandos de garças livres...
E o Bebedouro foi ficando meio de lado como seu povo gostava. Até com um cemitério independente, que ninguém teve ousadia de mexer.
O Bebedouro chegou a pertencer ao município de Rio Claro, depois para Brotas e finalmente de Dourado. Na verdade o Bebedouro pertence a ele mesmo, confirmando a natureza independente, sabiamente escorregadia, de seus primeiros moradores. Basta observar as imensas figueiras plantadas na entrada de cada propriedade a marca verde da origem, escrita na natureza, por aqueles que já tinham um coração verde muito antes da onda ecológica...
No Bebedouro existe também a Pedra Branca, ou Pedra Agnelli como a chamam, uma formação rochosa de difícil acesso, onde dizem as pessoas de várias gerações, ocorrer um fenômeno estranho, uma luz azul é emitida da montanha para o céu, sempre no mesmo horário. Além possuir estranhas escritas, indecifráveis. Infelizmente os moradores do local estão lutando sozinhos para preservá-lo, pois gente malvada, rouba durante a noite papagaios e outros bichinhos silvestres para comercializar.
Como seria bom se os cientistas e pesquisadores das universidades de São Carlos fossem acampar por  lá e descobrir muito mais, ajudando nessa preservação...
No mês de julho lá estiveram escoteiros de várias partes do mundo acampados e encantados, querendo ficar ali para sempre se pudessem.
Para acampar tem também o "Saltinho" é só perguntar em Dourado onde mora o proprietário. É baratíssimo. Mas por favor respeitem a natureza do nosso querido Estado de São Paulo... Para quem mora em São Carlos é só pegar a SP 215 e ir até Dourado, depois é só descer a serra que levará a um outro mundo, no centro do estado, onde ainda pulsa um coração verde! 

VANDA CATARINA DONADIO
I - Artigo publicado no jornal "A TRIBUNA" de São Carlos em 26/10/1998
II- "O DOURADO" - Nº68-ANO III - Dourado, 24 de Novembro de 1998


 
Bairro do Bebedouro/Morro Chato - Visto da Fazenda Serra Dourada de Miguel Giudicissi 
 
 
 
 
Pedra Branca/Pedra Agnelli - Foto Grupo Ecociente
 
 
 
 2015 - Cemitério do Bebedouro

 
 

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-78: NOTAS ESPORTIVAS 07



NOTAS ESPORTIVAS

SÃO JOÃO ESTREOU NOVO UNIFORME COM VITÓRIA
 
Mesmo jogando mal a equipe do São João F.C. conseguiu vencer o esquadrão de Igaraçu F.C., pelo marcador de quatro tentos a zero, domingo ultimo no Estádio Municipal Parque São Pedro.
O São João foi o primeiro a entrar em campo, com ORLANDINHO; CABO, HERÔNIDES, GALVÃO e  MILTINHO; MENGALVIO e RUI; EDU, TONINHO, CARLINHOS e NEGUINHO e os reservas MAURICIO, CARLOS  e NELSINHO.
O pontapé inicial foi dado pelo Sr.JOSÉ CARLOS ORTEGA representante do C.O.A.M.D.O. (Cooperação dos Amigos Douradenses), estiveram também presentes às solenidades o senhor WALDEMAR DOS SANTOS, que gentilmente ofertou os calções novos do uniforme  do S. João F.C. e o Monsenhor JOSÉ MARIA BRAGA, que deu a benção, Sr.PEDRO NELSON BRAGA, representante da SOCED, Sr.CARLOS PESSINI, Sr. WOLNEY DOS SANTOS, representante do Jornal de Dourado, e outros.
A partida foi iniciada, com a "furiosa" sob o comando do TANAKA, animando o espetáculo e também os jogadores do São João, que começaram pressionando a equipe de Igaraçu F.C.  A defesa do time visitante  só queria ver a bola longe de sua área e chutavam de qualquer maneira.
Em um dos ataques do São João F.C. em que a bola foi lançada para o ponta esquerda NEGUINHO, que estava deslocado para o centro, o zagueiro central do Igaraçu do Tietê, apavorou-se com a presença do jogador douradense e em uma tentativa de colocar a bola para a linha de fundo, mandou-a para o fundo de sua própria rede.
SÃO JOÃO F.C. 1 X 0
Depois de aberta a contagem em favor do São João, o jogo foi equilibrado até o final da primeira etapa, terminou com a equipe do S. João vencendo por um tento a zero, vencia mas não convencia.
A etapa complementar teve inicio com o São João ainda apático, sem muito animo. E em um dos seus ataques esporádicos, quando CARLINHOS penetrava bem na área adversária, um dos zagueiros segurou a bola com as mãos, tendo o arbitro assinalado acertadamente penalidade máxima, que MILTINHO cobrou e converteu, S.JOÃO 2 X 0.
Depois da marcação do 2º tento, a equipe douradense dominou as ações da partida.
A defesa, segura e firme não deixava passar nada.
O meio de campo do Igaraçu chegou a dar trabalho, mas MENGALVIO e RUI acabaram com ele na base da antecipação. Aos trinta e cinco minutos CARLINHOS, aproveitando uma passe de RUI, cabeceou contra a saída do goleiro, este ainda conseguiu segurar a bola, mas na queda deixou-a ir para o fundo do gol. S.JOÃO 3 X 0.
Aos quarenta minutos, quando publico começava a abandonar o estádio, CARLINHOS salvou o espetáculo esportivo, marcando quarto tento douradense, em uma virada sensacional de direita, no mais belo gol da partida e da equipe do São João nestes últimos tempos, encerrando com chave de ouro a contagem final: SÃO JOÃO FUTEBOL CLUBE (4) IGARAÇU DO TIETÊ (0).
O arbitro da partida foi o Sr.LAFAIETE LOZANO, com excelente atuação.
Ocorrência: aos doze minutos da etapa complementar foi "convidado" a retirar-se do gramado o médio volante da equipe visitante por desrespeito ao arbitro.
Arrecadação: NCr$ 61,00


Monsenhor José Maria Braga dando a benção aos jogadores com o novo uniforme.
 
 

Em pé da E/D: WALDEMAR DOS SANTOS, HERÔNIDES, ORLANDINHO, CABO, MENGALVIO, GALVÃO, MILTINO  e CARLINHOS ORTEGA.
Agachados da E/D: EDU, TONINHO TAVANO, CARLINHOS BOSCHI, RUI  e NEGUINHO.
- §§§§§§ -
 
JORNAL DE DOURADO-Nº305-ANO VI-DOURADO-DOMINGO,23 DE JULHO DE 1967
ARQUIVO: CASA DOS PAPÉIS
FOTOS: RUI BERTUCCI
 
 
 
 
 
 
 

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-77: O ORIENTADOR Nº3


QUAIS OS MOTIVOS DA ADOLESCÊNCIA QUE POSSAM SER APROVEITADOS NOS TRABALHOS MANUAIS?
Profª. MARIA ALICE RODRIGUES PEREIRA
Catedrática de Trabalhos Manuais e Economia Doméstica
 
A inclusão dos TRABALHOS MANUAIS no currículo escolar está ligado ao movimento de ideias do chamado realismo pedagógico, isto é, ao movimento que teve em vista aproximar a escola da vida. Esse foi o primeiro esboço da defesa dos Trabalhos Manuais, no sentido de eleva-lo  da condição servil, da condição de inferioridade a que estava reduzido, influenciado pelas ideias igualitárias da época. A analise através da história enumera as diferentes fases porque passaram os Trabalhos Manuais até os nossos dias.
Todos os Educadores Novistas afirmam, que a presença dos Trabalhos Manuais nas escolas é o marco que separa e caracteriza as novas ideias. O fim principal da Escola Nova consiste transformar o habito de pensar empiricamente, no habito de pensar logicamente. Sabe-se que Trabalhos Manuais consistem numa das matérias que mais de perto são impulsionadas pelos processos psíquicos. A importância do impulso ativo na educação do homem embora constatada não foi até hoje suficientemente aproveitada. Isto porque só há o aproveitamento eficiente desses impulsos quando eles são conhecidos. Sabe-se de antemão, que a atividade é quase sempre suscitada pela necessidade que nada mais é do que o "motivo".
Motivar é atender aos interesses dos adolescentes. Mas, quais são os motivos da adolescência que devem ser aproveitados? Todos os motivos da adolescência devem ser aproveitados, porque Trabalhos Manuais sendo matéria de currículo do curso secundário tem obrigação de fornecer incentivos para os alunos. Enumerar aqui toda a Psicologia da Adolescência já estudada seria desvirtuar o sentido a que nos propomos. Basta que se saiba que esta idade é a época por excelência onde a responsabilidade do mestre se concentra em plasmar a personalidade.-
Para isso é preciso conhecer quais os impulsos que se manifestam no adolescente em tal idade e a que trabalho manual corresponde. A compreensão dos motivos próprios da adolescência no seu exato aparecimento e a maneira melhor de ser aproveitado por meio dos Trabalhos Manuais precisa ser constatado. Não se limita a isso o problema. Segundo a Psicologia de Wundt que afirma que toda vida é atividade, ideia essa repetida por Natorp, que diz ser o desenvolvimento autônomo do espirito melhor realizado na comunidade viva, pode-se dizer que a aprendizagem também é a atividade do trabalho em comunidade.
Neste caso é à Psicologia Social que devemos recorrer para analisar eficientemente os motivos da adolescência, que devem ser estudados em relação ao ambiente em que estão. Seria o estudo feito por Mira y Lopes da adolescência do camponês, pubente industrial, intelectual, do citadino, etc., observando-se concomitantemente os trabalhos, que o meio oferece como motivos para despertar o interesse. Eficiente seria analisar a atração que exercem certos centros urbanos, nos habitantes do subúrbio - os motivos neste caso modificam-se notavelmente e o trabalhos manuais que interessam são outros. Poderia haver também a atualização da matéria no tempo, recorrendo-se para isso à Pesquisa e à História.
Mas, quem poderia fazer isso? O aluno que, por vocação traz dentro de si a relação exata de cada impulso e o trabalho correspondente. Si não é possível obter isso do próprio adolescente, resta buscar no adulto, que abraçou à carreira levado pelo ideal de ensinar Trabalhos Manuais. é inútil querer estabelecer paralelos, porque o material mais fácil, seguro e eficiente é a auto-analise da vocação, sobretudo quando já se tem cultura capaz de fazer auto-crítica. Neste caso basta apenas o incentivo para que se obtenha o material que se quer pronto para ser burilado.
Cabe ao Professor de Trabalhos Manuais a árdua tarefa de conhecer o material com que vai trabalhar muito mais do que qualquer outro professor. Falta-lhe a Didática e a Metodologia Especializada, a Pedagogia Especializada como meios para aplicar os seus conhecimentos. Para suprir esta falta precisa ser este professor de grande cultura, capaz de cativar e prender a atenção dos adolescentes sem a supremacia da nota, sem a ameaça das faltas, apenas cingindo-se ao valor do trabalho em si.-

- §§§§§§ -

A LINGUA INGLESA
 Quando terminei o Curso Primário eu nem de longe sonhava que daí a algum tempo iria aprender
  inglês.
Na primeira Série Ginasial entraram novas matérias que eu não conhecia até então, porém não estranhei muito pois já tinha ouvido falar do Francês, Latim, etc.
Mas o assunto não ficou só nisso pois quando passei para a segunda Série, entrou no rol de nossos estudos, o Inglês. A principio achei o Inglês uma língua até certo ponto gozada e até me ri de muitas palavras dessa língua.
Hoje porem eu acho que o Inglês é uma das matérias mais fáceis dos Ginásio, fácil no sentido do método adotado. Agora não é mais como antigamente quando se adotava o método dedutivo, pois o aluno vendo que o professor dava a tradução das lições, não se incomodava em estudar.
Agora com o método indutivo, o aluno sente curiosidade em saber o que está escrito no papel, e esta curiosidade lhe é satisfeita por intermédio de cartazes ilustrados, figuras, gestos, e até mesmo, através do cinema.
JOSÉ AUGUSTO ARAUJO
2ª Série Ginasial 
- §§§§§§ -
  
RENDAS DA ANTIGUIDADE
Sou aluna do Ginásio Estadual "Dr. Salles Junior". Meu nome é IZA PEREIRA MIRANDA, estou na 1ª Série. A minha professora de Trabalhos Manuais D. Maria Alice R. Pereira pediu-me que escrevesse um trechinho falando das Rendas da Antiguidade.
Na minha opinião acho que a renda tem muita serventia. Quem poderá negar o encantamento que despertam em todo o mundo os véus e mantilhas em tule ou gaze colorida e rendas, fazendo-nos pensar em plumas, flocos de neve, neblina, pássaros, bailados, etc.
Imaginemos um alvo jabô de legitima renda "Chantilly" sobre um costume de veludo negro, fazendo-lhe conjunto uma joia antiga, uma rosácea de filigrama com um brilhante. Qual admiraremos mais entre as duas joias de tão delicado e caprichoso valor, a de linho ou a de ouro?
Muitos ficariam em duvida. Todavia, ambas podem ser consideradas irmãs devendo, por isso, andar juntas, sempre que possível.
Ah! que deliciosas essas famosas rendas de Veneza, Alençon, Bruxelas... Quanto fascínio têm exercido neste mundo através dos séculos, seja adornando decotes, ombros de bels mulheres, meigas cabeças de comungantes, vestidos de noivas, ou luxuosos vestuários e místicos paramentos.
 Nessa época as rendas não eram usadas somente em roupas de crianças e de senhoras, mas também usava-se a renda para fazer jogos de cama e de mesa.
Isabel da Inglaterra, a "Rainha Virgem", era uma grande afeiçoada das rendas. Foi uma das mulheres que mais cuidaram do embelezamento e suntuosidade do trono. As suas golas rendadas eram as mais altas e volumosas da Europa.
Em todos os seus retratos a rainha ostenta valiosíssimas rendas em golas, punhos, aventais e véus.
Não é possível determinar a antiguidade na renda, sei que existem inúmeras há muitos anos.
Satisfazendo a vontade de minha professora aqui está o trecho que prometi.
IZA PEREIRA MIRANDA
1ª Série Ginasial
- §§§§§§ - 

O QUE ACHO DA LINGUA INGLESA
No meu modo de pensar, a língua Inglesa é a mais bela do mundo, devido ao seu rico vocabulário e à sua belíssima pronuncia.
Como fico maravilhada ao ver uma pessoa falar o Inglês corretamente.
Lembramo-nos do grande escritor inglês, Shakespeare, de suas belíssimas obras, e de outros ingleses, cujas obras nos empolgam ao expressar seu sentimentos.
Há um pensamento que diz:  - "Uma pessoa que fala duas línguas, vale por duas".
Gostaria imensamente de valer por duas pessoas, aprendendo a falar o Inglês.
Tenho certeza de que se soubermos aproveitar deveras as aulas de nossa professora d. FREDA, sairemos do Ginásio com uma boa base de Inglês.
Sou grande admiradora da língua Inglesa.
MARIA ANGELA CARDILLO
2ª Série Ginasial
- §§§§§§ -

DESCRIÇÃO: O FILME QUE ASSISTI
A professora de Trabalhos Manuais e Economia Doméstica, para elucidar o ponto sobre madeira, passou um filme. Este foi muito bom e aprendemos muita cousa. Gostei muito da ideia da D. MARIA ALICE R. PEREIRA, porque vimos que a madeira mais leve que a água é transportada pela correnteza do rio; depois observamos o modo de se lavar a madeira e como tirar a casca. Para descascar, a madeira tinha que passar por um túnel, com jatos de água sob pressão. Se na primeira  vez não tirasse toda casca, as toras tornavam a passar pelo túnel.
Finalmente a madeira era cortada em pranchas e estas colocadas em navios cargueiros que as levariam para todas as partes do mundo.
O filme enfim foi muito instrutivo
MARIA DE LOURDES ASSUAD
Aluna da 2ª Série
Dourado, 3 de Junho de 1955
- §§§§§§ -

 ATIVIDADES DA CADEIRA DE TRABALHOS MANUAIS E ECONOMIA DOMÉSTICA
1955
 
18 - Sessão de Cinema levando a fita "Ajudando os Professores a entender os alunos como contribuição à Orientação Educacional - 25/8/55
19 - Foram entregues para o Centro de Orientação Educacional e Profissional (à 05/9/55):
       1 - um fichário completo dos alunos;
       2 - relação dos artigos sobre orientação profissional; e
       3 - gráficos estatísticos sobre as notas dos alunos da 1ª prova parcial.
20 - Inauguração oficial da estante para a Biblioteca do Ginásio no dia 28/9/55, iniciando-se o empréstimo de livros para os alunos, feito pela Cadeira de Trabalhos Manuais.
- §§§§§§ -

QUADRO DE HONRA DO MÊS DE AGOSTO
 
1ª Série
             Em 1º lugar - MARIA CECILIA MACARI......................................................- com 8,88
             Em 2º lugar - IZA PEREIRA MIRANDA........................................................- com 8,22
             Em 3º lugar - SANDRA PINHANELLI...........................................................- com 8,11
4ª Série
             Em 1º lugar - MARIA APARECIDA VALENTE.............................................- com 8,77


O ORIENTADOR-Nº3-ANO I-DOURADO, 25 DE SETEMBRO DE 1955
ARQUIVO: CASA DOS PAPÉIS











 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-76: COMPANHIA ESTRADA DE FERRO DO DOURADO - III


O TREM CHEGOU EM DOURADO.....

SABADO, 01 DE DEZEMBRO DE 1.900
 
ACTOS DO PODER EXECUTIVO
DECRETO Nº 853 A
DE 30 DE NOVEMBRO DE 1900

Auctoriza a COMPANHIA ESTRADA DE FERRO DO DOURADO a abrir ao trafego publico o trecho de sua linha férrea entre as estações Coronel Ferraz e Dourado.
O presidente do Estado de São Paulo,
Attendendo ao que requereu a COMPANHIA ESTRADA DE FERRO DOURADO e de accordo com as informações prestadas pela repartição competente, 
Decreta: 
Artigo único. Fica a COMPANHIA ESTRADA DE FERRO DO DOURADO auctorizada a abrir ao trafego publico o trecho de sua linha férrea, comprehendido entre as estações Coronel Ferraz e Dourado, com as seguintes restrições: 
1ª) fazer installação do gyrador em Dourado, dentro do prazo de 30 dias;
2ª) fazer o fechamento da linha nessa estação e no trecho comprehendido pelos kilometros 0 e 1, entre os quaes deverá ser collocada uma cancella, dentro do prazo de 60 dias. 
 
Palácio do Governo do Estado de São Paulo, aos 30 de Novembro de 1900.
 
FRANCISCO DE PAULA RODRIGUES ALVES
Antônio Candido Rodrigues
- §§§§§§-
 
LIVRO DE ACTAS Nº1 DA CAMARA MUNICIPAL DE DOURADO-FLS.78
 
Acta da sessão ordinária realizada aos dezesseis dias do mez de Novembro de mil e novecentos, nesta Villa de Dourado, Estado de São Paulo, em a sala do edifficio Municipal, presentes os vereadores cidadãos Dr. Carposphoro de Mendonça Lima, Capitão Leopoldo Adolpho Machado, Tenente Maximiliano de Oliveira Sampaio, Ignacio Francisco e Onofre de Arruda Penteado, deixou de comparecer o Vereador Joaquim Cardozo..., havendo numero legal...., foi aberta a sessão... Foi autorizado o Snr. Intendente a dispender com os festejos da inauguração da estrada de ferro, a quantia de ( 1:500$000 ) um conto e quinhentos mil réis.
- §§§§§§ -

 

Cartão Postal de 27/01/1905 - Estação de Dourado - Gentileza de Angela P. Villaça Pinto
- §§§§§§ -

CORREIO DE SÃO CARLOS-Nº172-ANO II-5 DE DEZEMBRO DE 1900

E. F. DO DOURADO

Effectou-se no dia 1º do corrente a inauguração desta nova linha, que da prospera villa de Ribeirão Bonito vae à futurosa villa de Dourado.
Ao meio dia chegou a Dourado um trem especial conduzindo convidados de Ribeirão Bonito para assistirem aos festejos de inauguração.
A's quatro horas da tarde partiu de Ribeirão Bonito o trem inaugural, levando ainda muitos convidados dessa villa, alguns de São Carlos do Pinhal e uma banda de musica. A's cinco e meia mais ou menos, chegou à estação de Dourado, onde se achava grande massa de povo e a banda de musica local.
Nessa occasião foram queimadas baterias e subiram ao ar muitas girandolas de foguetes.
Pela commissão dos festejos foi offerecida um copo de cerveja a todas as pessoas presentes, havendo vários discursos, referentes ao acto.
A's 7 horas da tarde teve logar o banquete offerecido pela commissão, ao qual assistiram muitas pessoas gradas de Dourado, Ribeirão Bonito, Bôa Esperança, São Carlos do Pinhal, Brotas e Bariry. Ao jantar foram levantados vários brindes à directoria da Estrada de Ferro, ao coronel Salles, à imprensa, à comissão de festejos, ao povo de Dourado e muitos outros de que agora não nos lembramos.
Quem primeiro usou a palavra foi o sr. coronel Salles.
Em nome da imprensa fallou o dr. Evaristo de Oliveira, conceituado advogado, residente em Ribeirão Bonito.
A's 10 1/2 horas da noite principiou o baile que se prolongou até às 6 horas da manhã, com grande concorrência e muita animação.
Entre as pessoas que desta cidade foram assistir aos festejos da inauguração notamos os seguintes:- Major José Ignacio de Camargo Penteado, Alfredo de Souza, Bento de Campos Negreiros, João Evangelista Netto Caldeira, capitão Gaspar Berrance, João do Amaral Camargo e o representante desta folha.
Agradecemos à digna commissão as amabilidades que dispensou ao nosso representante.
- §§§§§§ -
 
O ESTADO DE S.PAULO
ANO XXVI - S.PAULO - DOMINGO, 12 DE DEZEMBRO DE 1900 - Nº 8044

TELEGRAMMAS
Serviço especial d' "O Estado de São Paulo"
Dourado, 1 (9hs.n)
Grande foi a multidão que aguardava a chegada do trem inaugural.
No trem vieram muitas famílias, pessoal do foro de Ribeirão Bonito, inclusive o juiz de direito.
O Correio Paulistano e o Commercio de S. Paulo estiveram representados pelo dr. E. Oliveira e o Diário Popular pelo sr. Arthur Mendes.
A villa apresenta aspecto deslumbrante.
Dourado, 1(9hs. 50m.n.)
A Commissão de festejos é composta dos srs. JOSÉ VICTORINO, MAXIMILIANO SAMPAIO, HENRIQUE GUINTHER, ONOFRE PENTEADO.
O dr. Aurelio Neves, em nome da municipalidade, vae saudar a directoria da estrada de ferro.
O banquete, de 60 talheres, será servido no Hotel Paulista.
Todo o pessoal do foro, aqui está, inclusive o dr. Antônio B. de Carvalho, juiz de direito.
Á noite realisa-se um grande baile pelo qual há grande enthusiasmo.
Acham-se aqui os membros da Commissão de agricultura de Dois Córregos, srs. Benjamin Martins e Coronel Pereira Garcia.
De Brotas vieram distinctos cavalheiros, entre os quaes os drs. Arthur Simões e Jaudel.
A imprensa de S. Paulo está representada pelo srs. dr. Evaristo de Oliveira, do Commercio, Arthur Mendes, do Diário Popular, Odilon Ribeiro da Tribuna e correspondente desta folha.
Dourado, 1(10hs.m.n.)
Acaba de chegar o trem expresso, conduzindo, além de passageiros, grande numero de convidados.
A banda musica local, postada na gare, executa lindíssimas peças do maestro SEBASTIÃO ADÃO.
Num dos salões do armazém, que está luxuosamente adornado, serve-se cerveja, em profusão, ao povo.
É indescreptivel o enthusiasmo.
Chegou as commissões das localidades vizinhas.
Tendo sido vivamente saudado o povo de Bôa Esperança, aqui representado pelos srs. Marcellino Braga, e Jesuíno Braga, do directorio politico e intendente municipal.
Dourado,1 (11hs.n)
Chegaram pelo expresso o sr. Coronel Salles e muitos amigos.
Foram enthusiasticamente saudados, temo uma commissão de moças atirado flores aos recém-chegados.
Chegou também no expresso a banda de musica do professor Cambeses.
Há mais de mil pessoas na villa.
Fala-se no grande baile, que promette ser esplendido.
- §§§§§§ -
 
 
 
 

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-75: HEBDOMADÁRIO DOURADENSE - III




VEXILLO
PERIODICO - IMPARCIAL
E.S.PAULO           PUBLICA-SE AS QUARTAS E AOS SABBADOS           BRAZIL
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
ANNO 3  ASSIGNATURA  Proprietário-NESCLAR DE CARVALHO  SECCÃO LIVRE   N.220
                 ANO......10$000   DOURADO, 6 DE SETEMBRO DE 1911   LINHA      $200
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
GRUPO ESCOLAR
Obedecendo rigorosamente ao programma de ante-mão traçado e publicado por esta folha, realisou-se sabbado ultimo no grupo escolar desta cidade, sob a direcção do professor JOSÉ DE SALLES a sympathica e útil festa das Arvores.
Não pretendemos descrevel-a minuciosamente e nem é necessário o fazer, que tem assistido as festas escolares no nosso grupo, sabem perfeitamente o que ellas são, e a actual não foi nada inferior às anteriores. 
---
Por decreto de 30 de agosto próximo passado foi removida do município de Mogy das Cruzes pra o grupo escolar desta cidade como substituta efectiva, regendo a classe vaga, a professora d. BENEDICTA PRESCILIANA.
---
Esteve alguns enfermo, o sympathico professor do nosso grupo, sr. VICTOR MIGUEL ROMANO, que felizmente já se acha quase de todo restabelecido. 
-§§§§§§-
Impressos perfeitos, nesta typographia
-§§§§§§-
 
Domingo ultimo o súbito hespanhol ADOLPHO DIZ resolveu demonstrar as suas aptidões de pião, montando num fogoso cavallo não domado.
O ponto escolhido para a exibição, foi a parte baixa do largo, onde o cavallo aos pinotes, punha em serio perigo os transeuntes e creanças alli habitantes.
Depois de longa serie de corridas e saltos, o cavallo levou uma queda na qual arrastou o cavalleiro.
Ambos sahiram bastante machucados, principalmente o cavalleiro, que ficou prostrado, sem sentidos, por alguns minutos.
Diversos populares prestaram-lhes os primeiros soccorros.
Um grupo, exaltado, commentava o facto acremente por não se achar presente a auctoridade competente para fazer cessar a imprudência criminosa do cavalleiro, prevista pelo Código.
Ahi ficou descripto, de accordo com as informações que nos prestou testemunha occular, o facto de domingo, que poz em polvorosa os pacatos habitantes de Dourado, na parte já mencionada.
-§§§§§§-
O Vinho Creosotado do pharmacêutico Silveira é conhecido há muitos annos como poderoso medicamento. 
-§§§§§§-
 
CÃES SOLTOS
Sabbado ultimo, quando o sr. ALONSO LEITE DE ALMEIDA, passava em pleno dia, a cavallo, em frente ao HOTEL GUIDUGLI, foi inopinadamente aggredido, por um cão, que atirou-se às ancas do animal, este espantando-se, quasi cuspiu da sella o cavalleiro.
Sobre a inconveniência de cães soltos nas ruas da cidade, há pouco fizemos uma uma observação, a qual não foi attendida. 
Diariamente temos ouvidos reclamações, esperamos, porem, que seja dada uma providencia a respeito para que ellas jamais se repitam.
---
Sabbado e domingo o AU BIJOU SALON deu espectaculos
A primeira parte do de sabbado, não esteve lá muito boa, mas a segunda e o segundo espectaculo, agradaram regularmente. 
---
Regressou há dias, da Europa, onde esteve durante alguns mezes em recreio, o dr. MAXIMILIANO REZENDE, abastado fazendeiro e distincto cavalheiro residente neste município.
 - Apresentamos ao illustre viajante as boas vindas.
---
Ao que parece, não passará de amanhã sem commemoração a data que relembra um dos mais gloriosos factos da Historia Nacional. 
A banda musical LYRA DOURADENSE tocará ao amanhecer, pelas ruas da cidade.
Devemos esta pequena commemoração ao patriotismo da Camara que em uma das suas ultimas sessões resolveu subvencionar a banda com a condição della tocar nos dias de festa nacional e em alguns domingos de cada mez, à tarde, no coreto do largo. 
---
Ao contrario do que se annunciou, a companhia damatica não appareceu sabbado ultimo.
Ouvimos, que esta semana ella fará a sua estréa no SALÃO GRASSI.
-§§§§§§-
 
COMPANHIA FORÇA E LUZ DE BROTAS
Estando próxima a innauguração dos serviços dessa Companhia nesta cidade desde já ella recebe pedidos para installações de luz em casas particulares. O preço estabelecido é o de 15$000.
O sr. MAXIMILIANO DE OLIVEIRA SAMPAIO é o encarregado da Companhia nesta cidade, da gerencia de seus serviços.
IDYLLIO MARQUES
Presidente da Companhia Força e Luz de Brotas  
---
Installação de luz electrica
A Companhia Força e Luz, no intuito de facilitar a installação particular resolveu devolver ao inquilino que haja feito installação em prédio alheio, a importância paga, quando mudar a residência e o proprietário do prédio recusar-se a indemnisal-o da despesa feita com a installação. 
Dourado, Setembro de 1911
MAXIMILIANO SAMPAIO
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
ARQUIVO: CASA DOS PAPÉIS/MANOEL CARDOSO DOS SANTOS Fº(manelito)












segunda-feira, 20 de novembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-74: BANDA 19 DE MAIO


HOMENAGEM A BANDA 19 DE MAIO

Gente, quem não conhece o maestro TANAKA?
Jovem, amigo, companheiro, pessoa da mais alta estima em meio a nossa sociedade, bravo lutador, fundou a Banda 19 de Maio.
A nossa "furiosa" Banda 19 de Maio, quanto brilhantismo nas praças, destaque nas ruas, campo de futebol, ventos frios, chuviscos... nada impede, lá está TANAKA  com seu grupo corajoso. Brilhantismo nas festas do Padroeiro São João Batista, 24 de Junho, com o som do seu dourado pistão, acorda a população douradense. Maestro TANAKA e seu grupo, leva a alegria a todos os corações dos mais jovens até os mais idosos.
Lembro-me, eu; que longos anos passados meus filhos adoravam ver e ouvir a Banda 19 de Maio.
Hoje anos depois, meus netos sentem o mesmo prazer.
É a tradição que está no sangue dos douradenses. Por isso, Maestro TANAKA; não esmoreça, leve seu grupo adiante, vocês com seus instrumentos fazem a alegria das nossas festas.
- Quero destacar agora os componentes da Banda: Maestro Tanaka, Edmir (Vulgo Bigode), Afrânio, Zézinho, Henrique, Poli,  Celsinho, Dicão e Evanildo. E os companheiros de Ribeirão Bonito: Geraldo, Chico, Paulinho, João Soares e Neco. E não faltando o Paschoal e Oreco.
Gente, em meio a esta simples contamos uma piada da Banda, como todos sabem os componentes da banda não bebem nada, e nosso querido Padre José contratou a Banda para os trinta dias da Festa e perguntou para o Maestro:
- Quanto vai me custar seus serviços?
Tanaka respondeu:
- Nada Padre! O Senhor só nos dá as cervejas, que está ótimo.
O Padre olhando para o tesoureiro, disse:
- Paga a Banda em dinheiro, pois fica mais barato.
BANDA 19 DE MAIO é até o segundo copo, depois é "19 Desmaio". Gente, desculpem as brincadeiras e alguns possíveis erros.
 
WALDEMAR PESSAN - 23/07/1999
Jornal "O DOURADO" - Nº81-ANO III- DOURADO, 30 DE JULHO DE 1999.
 
 

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

CASA DOS PAPÉIS-73: GERARDA



A CHIMBICA E A GERARDA


Esta escola (C.E.E.N. Dr. Pirajá da Silva) aniversariante não só tem beneficiado Ribeirão Bonito, como as localidades vizinhas, sobretudo na época em que era este o único estabelecimento de ensino médio, na região.


Recordar dos alunos de fora é falar de sua vida de viajante, é lembrar a “Maria Fumaça”, que transportava alunos de Dourado, Boa Esperança do Sul e Bocaina, durante tantos anos, e, sobretudo, é prestar homenagem a dois elementos incorporados à escola: a CHIMBICA veneranda, e a não menos veneranda GERARDA.
Explique se para os que ainda possam ignorá-lo, que a “Chimbica” é a jardineira que traz alunos de Guarapiranga. É antideluviana, segundo as más línguas; e, por alguém de muito espírito, foi batizada com o nome da galinha do primo pobre. O aniversário do colégio é também, da Chimbica. Parabéns.
Sobre outra ilustre personagem: a Gerarda – que fale uma sua viajante, aluna do 1º científico residente em Dourado: Marjory Silvestre Pereira.
Gerarda é uma velha jardineira que foi herdada da Empresa Rodrigues pelo senhor José Fuchela, e transporta de Dourado para Ribeirão Bonito alunos dos cursos Científico e Normal.
Na “Ge” viajam cantores, compositores, oradores. Três compositores adaptaram uma lembra à marcha “Aqui, Gerarda”, a qual ficou sendo o Hino Oficial da Jardineira. Coisas engraçadas acontecem na viagem, que às vezes não acabam bem. Uma vez, a Gerarda parou na Fazenda Santa Guiomar, os alunos improvisaram uma cruz, e sepultaram a jardineira solenemente, sendo que, na cerimônia do enterro da velha “Ge”, as meninas choraram muito, especialmente Ana Raquel, Maria Angela e Nilza.
Este ano somos vinte e oito, os viajantes da Gerarda. Vimos tão apertados que a “Ge” já recebeu um novo apelido dos alunos de Ribeirão: “Camara de Gás”. 
 
Jornal "CORREIO D'OESTE"-Nm.812-ANO XLVII-RIB.BONITO,11 DE JUNHO DE 1961
 
GERARDA - Motorista: JOSÉ MARTINA (Zé Fuchela)
 
Alunas: da E/D - MARIA ISABEL MUNHOZ, SILVIA PEREIRA GONÇALVES, SANDRA DOMENICONI, MARJORY SILVESTRE PEREIRA, ANTONIA FERRAZ BRAGA, RINA CANDIOTTI, MARLENE CANDIOTTI, GLAUCE ASSUAD, THEREZA D'ABRUZZO PAZIAN, VERA PEREIRA DOS SANTOS, NERCI APARECIDA FAZZIO  e MARIA EUNICE MIRANDOLA.
 
OUTROS ALUNOS: ANA RAQUEL T. ABREU, NILZA MUNHOZ, ELVA S. MOTA, MARIA ANGELA CARDILLO, MOACYR PENTEADO TOLEDO JR, ORIVALDO TAVANO(LÉ), SEVERINO MARCHI JR.(tITO), CLOVIS MACHADO FERREIRA(CLOVITO), VITO GOMES, LUIZ AP. BRAGA, NICOLINO JACOBUCCI NETO E OUTROS.
2º MOTORISTA: HILARIO ROZATO (PORTA-PÓ)
 
ARQUIVO: CASA DOS PAPÉIS / MARISA MARTINA / MARIA ISABEL MUNHOZ.